sábado, 15 de julho de 2017

Minha mãe. Minha heroína...

Minha mãe. Minha heroína... Dona Rocilda. Dois anos e um mês, sem seu sorriso, sem seus abraços. Enfim desde esse dia 14.06.2015, fiquei metade da metade. Morri em parte, morreram todos meus sonhos e uma angústia me invadiu o peito, perdi todos os meus encantos. Morri um pouco mais... desde esse cruel dia, fiquei fragilizado quase por total e um vazio invadiu...me o peito de nostalgia e de uma saudade infinda, arrasando esse meu triste viver e deixando marcas que vão se perpetuar para sempre. Mamãe, a senhora nos faz uma falta jamais enfrentada por mim. Mamãe eu hoje acordei chorando e sua imagem jamais e em tempo algum vai se afastar de seus filhos, principalmente nos momentos de saudade é de longas tristezas... Amem. 14.07.2017.

LEIA MAIS...
Crônicas de Rufino Silva

Nenhum comentário:

Postar um comentário